A SlutWalk, a “marcha das vadias” surgiu como um protesto em resposta ao comentário de um policial canadense que orientou universitários dizendo: “Se a mulher não se vestir como uma vadia, reduz-se o risco de ela sofrer um estupro”.

A história começa quando Jaclyn Friedman foi violentada por colegas na faculdade em uma festa, mas nunca chegou a dar queixa, pois muita gente dizia que ela a culpada pelo ocorrido, pelo fato de estar na festa, por estar bebendo, por se vestir diferente do convencional, isso tudo, segundo Jaclyn fez com que ela desistisse.

Os agressores, inicialmente foram expulsos da faculdade, mas acabaram readmitidos e impunes, diz ela. O episódio, que aconteceu há quase duas décadas e marcou a vida da escritora e ativista feminista, pois hoje Jaclyn Friedman é um membro fundador da CounterQuo, e o editor de Meios Sim Sim: Visões do Feminino poder sexual e um mundo sem estupro jaclyn.

O movimento que começou em Toronto, rapidamente se expandiu para outras dez cidades dos EUA e do Canadá, com perspectivas de chegar a mais 40 cidades americanas e 19 outras pelo mundo. Nova York, Houston, Londres, Johannesburgo e Buenos Aires estão no roteiro para reivindicar o significado da palavra “slut” (traduzível como “puta” ou “vadia”, mas que na origem era “mulher desordeira”).

About these ads